o poema mundo

de quando
uma jornada
se encerra,
uma luz
incide na estrada
e a força
de fechar um ciclo
impera

e agora?
o que nos espera?
onde achar
coragem
para de novo
caminhar?

de onde saímos,
não existe mais
esse lugar,
não há como
nem pra onde
voltar

fitar,
flertar com
o abismo,
sem medos,
sem os pesos
que você se
acostumou
a carregar,
aceitar o
reencontro
com o novo,
transcender
e seguir
a desbravar…

poema desconfortável

desconforta-me

esse sentir
sem sentidos
que me invade
o sono
e me desperta
em angústia

a pausa forçada
que me força os dentes
uns contra os outros
e todos contra
mim

os planos que não se
cumprem

os passos engolidos
da jornada

a calma adiada

e o medo

de não ser
do que não virá
de não controlar
de não poder cancelar
tudo que, em mim,
é desconforto.

VOI LA

a poesia 
estava ali,
toda se amostrando
nas suas palavras
que eu vi…

avisei logo:
olha, tem poesia aí…

você olhou,
fez que não viu
e ainda brincou:
escreve então!

eu não deixei passar…
é só ver a poesia
toda prosa e 
querendo conversa, 
a mão coça…

e voi la!

porque achado
não é roubado

e poema 
encontrado em conversa
é sempre
festa.